Basenji


O cão da raça Basenji é originário do Congo, África Central. É um cachorro que possui um corpo macio, musculoso e atlético, também sendo muito  atento, ativo e curioso que adora brincar.

Os primeiros traços de um cachorro similar ao Basenji foram encontradas em tumbas e desenhos nas paredes no Egito datando mais de cinco mil anos atrás. Também chamado “Cachorro do Congo”, ele foi primeiramente introduzido na Inglaterra em 1937. Ele foi refinado ao longo dos anos pelos criados Ingleses e então exportado para o mundo todo. Essa raça foi oficialmente reconhecida pelo AKC em 1944.

O Basenji possui um corpo macio, musculoso e atlético. A sua pele é fina e brilhosa, podendo vir em vários cores, como branco e vermelho ou bronzeado, preto juntamente com branco e bronzeado, preto puro, cobre entre outras.

Características

  • País de origem: Congo;
  • Peso: os machos podem pesar entre 10 a 12kg, e as fêmeas entre 9 a 11kg;
  • Altura: os machos podem medir entre 41 a 43cm, e as fêmeas entre 38 a 41cm de altura;
  • Cores: preto puro, vermelho, branco com preto, branco com bronzeado, branco com preto e bronzeado;
  • Tempo de vida: podem viver entre 10 a 12 anos.

Comportamento do Basenji

É um cachorro ativo, energético e curioso. Adora brincar, fazendo dele um ótimo animal de estimação.

A sua socialização precisa iniciar desde filhote, pois esse cão tende a ser um pouco reservado na presença de pessoas estranhas. Colocá-lo junto de outros animais pode não ser uma boa ideia, mas ele se dará bem com outros cães de sua espécie.

Basenji

Cuidados e Saúde

Precisam de caminhadas ou exercícios todos os dias para manterem uma boa saúde mental e física. Cães que não recebem exercícios são mais propensos a exibir problemas de comportamento. Podem viver tranquilos em apartamentos, desde que sejam exercitados.

A manutenção do pêlo é fácil, pois o Basenji irá limpar sua pele da mesma maneira que os gatos fazem, e não possuindo qualquer odor de cachorro! Esse cão é ótimo para pessoas com alergias. A troca de pele é mínima.

 

blog comments powered by Disqus